19 de junho de 2016

Diz-me Por Onde Andas | Entrevista: Marta Chan

PASSAPORTE À LA TRIPPING IN TRIPS



Nome | Marta Chan (Autora do blog Viver a Viajar)

Idade | 32 anos mas pareço 25, juro :D

Nacionalidade | Portuguesa

Países visitados | 44

Continentes visitados |  5





Viajar a solo, a dois ou em grupo | Os três! Cada um embarga experiências diferentes, emoções diferentes, explorações diferentes. A solo fazes o que te apetecer e aumentas o número de amigos internacionais consideravelmente mas há alturas que não tens com quem partilhar aquele momento especial; A dois é romântico e trabalhas muito a relação: paciência, compreensão, respeito e pronto, tens o teu amor sempre contigo; Em grupo é uma animação! Porém não sou a favor de um grupo com mais de 5 pessoas, sendo que 3 é o ideal (sempre números ímpares para tomarmos as decisões democraticamente).

Viajar a baixo custo, custo médio ou 5* | Já viajei cinco anos em baixo custo e por isso agora estou numa de custo médio. 5* não faz parte de mim, mas quem não gosta de ficar num Resort ou SPA uns dias? :D

Mochila ou Trolley | Já inventaram a mochila com um trolley incorporado então é essa mesma!

Transporte preferido para viajar | Bicicleta para pequenos percursos e autocarro/comboio para longos pois gosto de passar pelos sítios por terra. Quando é possivel de barco também gosto muito, é uma excelente forma de vermos o Mundo de uma outra prespectiva.

Objecto indispensável na bagagem | lenço: dá para variadas situações como ir à praia, toalha para piquenique, estar sentada/deitada no parque, molhado na cabeça quando faz muito calor, toalha de praia. Adoro objectos dois em um.


ENTREVISTA


Como surgiu o gosto pelas viagens? 
Nem sei ao certo. É um conjunto de razões: as histórias magnificas do meu avô e pai quando trabalhavam num barco no Mundo inteiro; Sempre ter tido duas casas, consequentemente, habituei-me estar em constante movimento; as horas infinitas colada ao ecrã da TV a ver National Geographic; os recortes de revistas de diferentes culturas e colagens nas paredes do quarto; a paixão pela liberdade; o InterRail em 2007 foi a gota de água, desde aí nunca mais parei de viajar.

Que experiência ou retorno procuras quando viajas?
Tenho sede de curiosidade, de descobrir o que está do outro lado, explorar sítios que nunca fui, cheirar odores que o meu nariz nunca sentiu. Quando viajo quero partir à descoberta de tudo o que é novo para mim e que nunca experimentei. Mas as pessoas, tanto os locais como os outros viajantes, são o melhor que retiramos. Desses seres tiramos informações sábias que nos ajudarão a viver ainda mais felizes.


Qual foi a tua primeira viagem? Fala um pouco sobre essa experiência.
Assim viagem à séria foi o InterRail em 2007, quando terminei o curso. O meu primo Samuel também iria terminar nesse ano o curso, foi a desculpa perfeita para argumentarmos aos nossos pais 3 semanas de ausência pela Europa. A minha bff Ana juntou-se à dupla e lá fomos nós. Fizemos as maiores loucuras em Praga e Amesterdão, dormimos umas vezes em estações de comboios, dormimos numa residência de estudantes na noite que íamos dormir na rua, ficamos 4 dias sem tomar banho, comemos muito mal. Havia noites que dormiamos cedo para aproveitar ao máximo o dia e havia noites que era festa até de madrugada. Éramos muito democráticos, se dois decidissem Sim, ficava o sim. Ou ía a sítios que não gostava para depois ir a sítios que adorava e eles não gostavam :P Trabalhámos muito o espírito de equipa e foi aqui que fui picada pelo travel bug.

Qual foi a maior aventura ou o momento mais marcante que viveste durante uma viagem?
Foram tantos! As boleias têm as histórias mais divertidas, a India as histórias mais loucas e Marrocos as histórias mais incríveis. É dificil descrever só uma mas aqui vai. Eu e o meu companheiro Bruno estávamos a viajar na Costa Rica e uma argentina muito querida juntou-se a nós para uma visita ao parque tortuguero. O parque tinha de ser feito através de barco, então alugámos um mini barco de madeira que tinha água lá dentro o tempo inteiro. Estávamos deslumbrados pois nunca tínhamos visto a Natureza assim num estado tão virgem, os humanos nunca tinham pisado ali. Era uma selva sem fim, com árvores gigantes e macacos dum lado para o outro. Vimos pássaros de várias cores. 

Decidimos remar nos canais do rio. Quando estávamos já de volta, a contemplar tamanha beleza olho para o meu lado esquerdo, desolho e volto a olhar. Nem podia acreditar que mesmo ao nosso lado, 3 metros dali, estava um crocodilo. O Bruno vinha a falar fiz sinal com o dedo indicador nos lábios em sinal de silêncio e fiz um olhar para a esquerda. Aqueles segundos congelaram. Não remamos, não pestejanamos, não mexemos nem um dedo do pé, ficamos ali, impressionados com aquele bicho gigante que nos podia devorar em 3 tempos. Quando passámos, a salvo, senti o maior alívio da minha vida, respirei bem fundo e senti-me grata por estar viva.


E a maior dificuldade com que tiveste de lidar?
Foram duas. Com a antipatia extrema da parte dos bolivianos; e com a contradição em Marrocos pois não sabíamos ao certo quem era nosso amigo na realidade ou quem nos queria sacar dinheiro. Regra geral, o primeiro pensamento era tentar retirar dinheiro e quando percebíamos que estávamos a viajar à boleia com um orçamento curto, ofereciam-nos tudo :D 

Qual é a tua viagem de sonho e porquê? 
Era a India mas já estive lá duas vezes. No topo da minha lista extensa de viagens que são as Filipinas e o Japão. As Filipinas pelas ilhas paradisíacas, as pessoas tão humildes e simpáticas e porque há uns tempos atrás decidi que queria fazer o curso de mergulho lá. O Japão porque desde miúda acompanho os desenhos animados e banda desenhadas Manga e Anime, porque adoro o estilo fruits das ruas de Harajuku, tem os artigos de papelaria mais fofos, as pessoas são pacíficas e a cultura é muito diferente da nossa.

Viajar é conhecer novas culturas e isso também envolve a parte gastronómica. Qual foi a comida que mais te conquistou durante uma viagem? 
Até agora o único país que visitei e não senti saudade da cozinha portuguesa foi a Grécia. Deve ser por utilizarem muito o azeite de oliva, tomate, queijo, muito ao estilo mediterrâneo tal como Portugal. Gostei muito de um aperitivo que era queijo feta, com sementes de sesamo e mel, na frigideira. Se são amantes de pratos com doce e salgado, experimentem fazer em casa, divinal!


Já tens planos para uma próxima viagem? Partilha.
Queria muito ir à Escócia e Irlanda. São mesmo pertinho de Portugal, por isso não há desculpas. Estou à espera que chegue o Verão pois evito sempre viajar para sítios com frio. 

Quanto a Portugal, qual é o teu destino de eleição e porquê?
O Gerês. Por ser muito verdejante, trilhos nas montanhas com vistas maravilhosas, cascatas lindas que nos lavam a alma, a água mais saborosa para beber. Ficámos acampados ao lado dum riacho, onde adormecíamos e acordávamos com o som da água tranquilo e sereno. Sou uma pessoa mais da Natureza mas admito que tanto o nosso Porto como a nossa Lisboa são cidades muito bonitas, com muita História e Cultura.

Já viveste fora de Portugal? O que de melhor retiras dessa experiência?
Sim, vivi um ano em Maine, nos Estados Unidos da América. Assim que terminei o curso queria trabalhar na minha área, fora de Portugal. Encontrei um programa de intercâmbio em que me pagavam o aluguer da casa e contas e ainda recebia um ordenado mensal. Eramos um grupo de 40 pessoas de Europa. Foi um ano muito atribulado pois era a primeira vez que saía da casa dos meus pais, o meu primeiro trabalho como educadora social, ao mesmo tempo que tinha de lidar com o choque cultural. Passando o primeiro mês, a minha vida por lá começou a fluir e aos poucos fui-me sentindo uma local. O trabalho era muito desafiante com crianças em risco bastante problemáticas e aprendi imenso. Ao fim desse ano podia ficar mais um ano mas decidi voltar para Portugal, pois já estava a morrer de saudades das minhas pessoas e dos meus sítios do coração. Nunca fiquei tanto tempo sem estar em Portugal e espero nunca mais estar. Continua a ser o meu país preferido para se viver...Acreditem que apesar da questão económica temos muita qualidade de vida!


Há muita gente que nunca viajou por variadas razões: medo, dinheiro, tempo. Que conselhos darias a alguém nessa situação?
Espero que não levem a mal o que vou dizer, mas penso que quando falam em tempo e dinheiro não passam de desculpas. Se quiseres mesmo muito viajar, vais fazer das tripas coração para conseguires. Tem a ver com as prioridades de cada um. Há pessoas que preferem gastar dinheiro numa casa, em novos carros, telemóveis ou televisões, todo o meu dinheiro vai para viagens. Quem não tem uma semana por ano para viajar? 

Quanto ao medo, a melhor forma de o superar é passar pela situação. Ou seja, mesmo que a medo o melhor é irem na mesma, mas com pensamento positivo e um sorriso na cara, mesmo que o coração esteja a bater a mil a hora. Isso vai atrair o ambiente e fazer com que a vossa viagem seja magnífica e inesquecivel. Uma vez terem passado por essa experiência tão agradavel, o medo foi superado. Mas atenção! Depois não vão querer outra coisa :D

Por exemplo, tenho medo das alturas e viajar de avião para mim sempre foi um martírio pois começava logo a fazer filmes na minha cabeça que o avião ía cair e íamos morrer todos. Mesmo assim, continuei sempre a andar de avião, porque senão simplesmente não viajava. Depois de ter estado num avião umas 50 vezes é que finalmente este ano senti-me confortável dentro de um. 
Combatam os vossos medos, para poderem fazer as coisas que vos fazem felizes!


TRIPPING IN TRIPS QUICK QUIZ




A viagem perfeita? 
Machu Picchu no Peru.

A comida perfeita? 
Caldeirada de chocos.

A batida perfeita? 
Qualquer uma do legendário Bob Marley.








Segue a Marta e as suas aventuras também nas redes sociais:

Imagens gentilmente cedidas por Marta Chan

9 comentários:

  1. Registo espectacular, como sempre !

    ResponderEliminar
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. o meu teclado tem vida própria, então eliminei esse texto pois era quase ilegível (dizia o mesmo que o outro :D)

      Eliminar
  3. Muito interessante e inspirador o teu texto Marta, como de costume aliás =).
    Beijinhos e feliz próxima (ou corrente) viagem.

    ResponderEliminar
  4. Muito boa a entrevista, tenho um grande orgulho em ti Marta!!! Beijinhos

    ResponderEliminar
  5. Que orgulho por te conhecer Martinha!! Uma forma de viver muito interessante e aventureira! :)
    Marlene

    ResponderEliminar
  6. Tão bom que é ler as experiências da Marta :) Excelente entrevista!

    ResponderEliminar
  7. É sempre tão bom conhecer um pouco mais sobre as experiências e vivências da Marta, é uma inspiração ;) Perguntas pertinentes, e respostas muito boas!

    ResponderEliminar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...