31 de março de 2015

Diz-me Por Onde Andas | Entrevista: Filipe Ventura

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
PASSAPORTE À LA TRIPPING IN TRIPS



Nome | Filipe Ventura Silva

Idade | 32 anos

Nacionalidade | Portuguesa

Países visitados | 21

Continentes visitados | 3






Viajar a solo, a dois ou em grupo | Ainda não senti "a chamada" para viajar a solo, acho que para isso preciso de ganhar uma certa dose de coragem e egoísmo que ainda não possuo. Coragem para conhecer partes recônditas em mim e egoísmo para não o querer partilhar com alguém, isso ou um pôr do sol. Por isso, a resposta óbvia é viajar com a minha namorada Marisa, a minha companheira de embarque nas viagens e na vida. Viagens com amigos também têm sido inesquecíveis, de tão espectaculares.

Viajar a baixo custo, custo médio ou 5* | Low cost, definitivamente! Os meus amigos consideram-me o melhor e mais fiável motor de buscas para viagens de baixo custo. Não que tal título me agrade particularmente, apenas porque gosto desse método de explorar o mundo e começa a tornar-se óbvio para todos.

Mochila ou Trolley | Mochila às costas! Ainda há dias, comentei com a Marisa que na próxima escapadela de 5 dias a um país do centro da Europa poderíamos experimentar um trolley...confesso que nunca o fiz mas conto com a ajuda dela para passear o Bóbi :)

Transporte preferido para viajar | O avião é a resposta politicamente correcta, tendo em conta a relação tempo/qualidade/preço. Mas o comboio está no trono, por todos os motivos. E nem que inventem o tele-transporte, de lá sairá!

Objecto indispensável na bagagem | Máquina fotográfica! E de agora em diante uma GoPro, a minha mais recente prenda ;)


ENTREVISTA


Como surgiu o gosto pelas viagens?
Muito cedo! Sem que por ele desse conta! Desde que nasci que tenho uma costela nómada, tal cigano do Leste. Nos idos anos 80, os tempos não eram fáceis e o Sr. José e a Dª Fernanda, na busca de uma vida melhor, estavam sempre com a trouxa atrás e ainda o seu mais recente membro da família, o pequeno Filipe. Para se ter uma ideia, tínhamos um gato que se chamava Pechisbeque, tal humilde era o nosso seio familiar. E tudo aí começou! De casa em casa, de escola em escola, de amigo em amigo, tornei as fraquezas em vantagens e aprendi muito com esta experiência. Conhecíamos o nosso grandioso país e com a chegada de mais um elemento, a mana Mafalda, assim continuámos. Acredito que quando chegar o momento, o meu primeiro filho será concebido ou nascerá em viagem. É bem provável!

Que experiência ou retorno procuras quando viajas?
Aqui existe claramente uma mudança de ver as coisas com a experiência de vida, de viagens atrás de viagens. Se outrora procurava inteirar-me da realidade de um país e da sua cultura antes de pisar terra, agora deixo que esse pedaço de Mundo me atinja no peito à medida que o vou desbravando, com seu povo e seus costumes. Na medida do possível, claro, mas sempre no ensaio de baixar expectativas para o estalo ser maior!

Qual foi a tua primeira viagem? Fala um pouco sobre essa experiência.
Tive, como todos nós, viagens que gostámos e aprendemos muito. Mas aquela que considero a minha primeira viagem, no sentido de viajar física e espiritualmente, foi no meu primeiro Interail pela Europa fora. Bom, nem há como transpor para o papel a sensação de liberdade e aventura que aquela viagem me transmitiu e fez viver. Éramos cinco e após um mês dentro de comboios e hosteis, perdi a conta às nacionalidades que conheci e lidei de muito perto, sentindo-me vivo a cada passagem de fronteira, a cada prato típico e dança tradicional. Se houvesse algum conselho que daria a um jovem, passaria por o desafiar a comprar o passe de Interail e meter-se no primeiro comboio com destino ao Este. Sairá muito mais enriquecido aquando da partida.


Qual foi a maior aventura ou o momento mais marcante que viveste durante uma viagem?
Fiz recentemente uma road trip por Marrocos e essa foi, sem dúvida, a Aventura! Partimos de Portugal com o carro cheio e chegámos, via barco, a África! Para mim era a primeira vez em solo marroquino, em areias do enorme Sahara. Cruzámos o país e tudo nos desafiava: o calor irrespirável, a comida e cheiros temperados, as cores quentes e as gentes de sangue comercial. Estivemos em Chefchaouen, cidade dos estrunfes como carinhosamente a apelidámos, passámos por Fez que, com a sua medina medieval, nos arrebatou, vivemos uma noite mágica no Deserto, tal como Saint-Exupery tão bem descreveu em "O Principezinho", fomos acolhidos pelo povo berbere e seus antepassados lado a lado em Aît Benhadou e ainda sentimos a vibrante Marraquexe, cidade que bem podia roubar o título de "cidade que nunca dorme" a Nova Iorque. Foi uma viagem que perdurará minha memória, assim como não irei esquecer o olhar das crianças à beira da estrada quando lhes dávamos uma t-shirt ou um simples lápis, algo que facilmente descartamos depois de "gastos". Éramos nós que estávamos a receber e não eles, por muito que pudesse parecer o contrário.

E a maior dificuldade com que tiveste de lidar?
Engraçado como tomamos algo como garantido e nem damos valor. E refiro-me por exemplo ao simples facto de querermos voltar para nossa casa, nosso conforto, não conseguindo. Na minha pior experiência a viajar, no seu todo, foi numa visita a um amigo na Polónia. Com uma faringite a ganhar expressão praticamente à chegada a um país de temperaturas negativas, um povo fechado, algo racista e com fantasmas da 2ª Guerra Mundial e ainda dois voos cancelados, ficando retido em aeroportos sem alguém que falasse o básico inglês, tudo ajudou ao quadro negro e digno de argumento de filme. Sentia-me preso, em pleno século XXI e no centro da Europa. Tudo parecia conspirar contra mim e eu, num género de sentido extra dimensional, como que a ver de um plano superior, sem que conseguisse fazer algo. Surreal...


Qual é a tua viagem de sonho e porquê?
Por viagem de sonho entendo aquela que já possa ter feito e não uma futura. Passo a explicar: tenho o sonho de conhecer todos os países, todos os povos e ouvir todas as línguas. Por isso, todas as viagens vindouras serão de sonho e não uma em concreto. Mas de todas as realizadas, a epopeia que vivi em terras imperiais, num país dividido em dois continentes, foi a mais espectacular...

Turquia acolheu-me, assim como à Marisa, duma forma que nunca poderemos retribuir e por diversas vezes dizemos que jamais lá voltaremos. Sei do valor cliché que tem a premissa, mas temos realmente medo de estragar as recordações mágicas e o brilho nos olhos se lá voltarmos. Nunca sentimos tamanha hospitalidade de um povo como nesta terra de boa gente. Há quem os apelide de ferverosos, eu intitulo-os de intensos. Há quem os trate por fanáticos. Eu prefiro apaixonados.


Entrámos no país de comboio e logo directos a Istambul...agora imaginem o choque cultural, com uma religião predominantemente muçulmana, numa culinária rica de tão variada, História em cada canto, a cada virar de esquina e...gatos! Sim, gatos aos molhos!!! A Marisa costuma dizer-me que devemos observar um povo pela forma como trata os seus animais...e se há muitos um pouco por todo o lado, não é por esse motivo que eles são pior tratados. Gatos em cima de carros, gatos dentro de montras das lojas, gatos nas Mesquitas...até o nosso hostel em Istambul se chamava Stray Cat ;)

Istambul, Capadócia, Pamukkale, Efesus e Bodrum, foi uma aventura em jeito de lua de mel, ou vice versa. A verdade é que não temos planos para casar mas é sempre o argumento que usamos para arranjar melhores preços em dormidas, tal é o valor que dão ao matrimónio por este mundo fora (acho que funciona mais com os funcionários do género feminino, de alguma forma se identificam mais com uns recentes noivos, ao invés da maioria dos homens). Foram 10 dias únicos e este país é, na minha opinião, a melhor porta de entrada para o mundo oriental, entramos numa realidade de cheiros e cores sem que demos por isso e, quando finalmente nos apercebemos onde estamos, é tarde de mais, ficamos viciados e levamos a Turquia colada à pele!


Viajar é conhecer novas culturas e isso também envolve a parte gastronómica. Qual foi a comida que mais te conquistou durante uma viagem?
A comida turca! Para ter uma ideia, assim que chegámos a Portugal, demos por nós a fazer jantares para amigos e familiares de acordo com os costumes turcos. E não era nada difícil, a gastronomia turca é muito parecida com a portuguesa e os ingredientes acessíveis em qualquer mercado de bairro ou hipermercado. Iogurtes com azeitonas e tomates ao pequeno-almoço pode parecer esquisito mas já dizia Pessoa, primeiro estranha-se, depois entranha-se. E a título de curiosidade, sumo de laranja por aqueles lados diz-se Portukale!!! Nunca ingerimos tanta vitamina C como ali :)

Já tens planos para uma próxima viagem? Partilha.
Já tenho planos e bilhetes comprados para Budapeste, algures a meio de Junho. Faltava-me conhecer a Hungria dos tempos de Interail e como a Marisa também não conhecia, aproveitámos uma promoção recente e vamos fugir por uns dias a terras do Danúbio. Queremos dar um pulo a Bratislava e Viena, logo veremos. Antes ainda iremos visitar uns amigos mas é surpresa, pelo que fica em segredo dos Deuses ;)

Quanto a Portugal, qual é o teu destino de eleição e porquê?
Considero o Gerês e os Açores das paisagens naturais mais bonitas que já conheci. De todo o Mundo! Natureza no seu estado mais puro, animais selvagens como cavalos garranos a correr ao lado do carro, vacas a mudar de pasto a um bafo de distância e, comum a estes dois paraísos, cascatas de deixar o queixo caído por todo o lado!!! São postais verdes que assim deveriam permanecer, sempre!


Se tivesses de viver fora de Portugal qual o país que escolherias e porquê?
Nunca vivi fora de Portugal e confesso que não tenho real noção de um país que pudesse acolher-me. Mas teria que ser um país luzidio, com pouco nível de precipitação =) A culinária seria também importante e as pessoas afáveis. A oferta cultural fundamental! Resumindo: Acho que Itália reúne todas estas características e ainda mais algumas!

Há muita gente que nunca viajou por variadas razões: medo, dinheiro, tempo. Que conselhos darias a alguém nessa situação?
Sinceramente, quero acreditar que há outras fobias que não a de viajar. É tão bom, como pode haver alguém que tenha medo de sair e descobrir algo novo? O mundo é belíssimo, merece ser visitado de vez em quando! Se o problema for dinheiro, bom...então sugiro que deixem de fumar, cortem nas roupas caras e outros gastos supérfluos. Se realmente viajar for o vosso desejo, porque se for impressionar com a peça de roupa da moda ou continuar a sentir-se bem com o cigarro no dedo, então tudo bem...é um gosto válido como outro qualquer mas então não exijam ter dinheiro para fazer aquelas viagens que vêem os outros fazer, sacrifiquem algo e sintam-se bem por terem um papel decisivo na mudança. No final, vão gostar muito mais do resultado. Tempo é algo tão irreversível que pode ser realmente um problema. Se não o temos em doses suficientes para que uma viagem ganhe corpo e forma, então o problema não é o tempo, somos nós. E isto reflecte-se não só nas viagens, mas também em tempo de qualidade com a família, tempo para ler um livro ou simplesmente nada fazer. Criemos tempo dentro do tempo. Vai sobrar certamente ;)


TRIPPING IN TRIPS QUICK QUIZ

A viagem perfeita?
Viagem perfeita seria com a liberdade de visitar qualquer país, sem preocupações raciais, religiosas ou financeiras. Seria perfeito. E sempre com a minha namorada por perto.

A comida perfeita?
A italiana!!! Gelados, pizzas, massas...haverá algo melhor???

A batida perfeita?
Depende do mood, depende da companhia e do sítio onde nos encontramos. Mas elejo, neste momento, a Society, do Eddie Vedder, do álbum Into the Wild.


Imagens gentilmente cedidas por Filipe Ventura.

13 comentários:

  1. Adorei a entrevista! Até fiquei ansiosa pelo meu próximo destino :)
    Um beijinho

    ResponderEliminar
  2. Ramiro Cabo31 março, 2015

    Não conheço ninguém que goste tanto de viagens como o Filipe. Conheço-o hà vários anos e é uma verdadeira inspiração para mim em termos de viajante embora não tenha tido muitas oportunidades para concretizar algumas das viagens que idealizei. Grande abraço e boas viagens!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É de facto inspirador conhecer pessoas com esta vontade de conhecer o mundo e de espírito tão aberto. :)

      Eliminar
  3. Gostei muito de ler, e aquela foto com os "olhinhos azuis" está demais! Muito boa rúbrica :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Fico feliz por teres gostado! Sim, aquela foto está espectacular!!! ;)

      Eliminar
  4. Gostei muito de ler, e aquela foto com os "olhinhos azuis" está demais! Muito boa rúbrica :)

    ResponderEliminar
  5. Filipe e Marisa, nem sonhava que ja tinham viajado tanto... meus filhos tenho vos a dizer que temos de marcar ai uma viagem juntos ou va, um picnic de um dia inteiro para saber mais das vossas aventuras. Entao foram voces os acompanhantes de viagem do joao para marrocos =) que pais mais excitante, a nossa ultima semana foi a relaxar em Chefchouen no mesmo rooftop do mesmo riad que voces Hehe

    Gostei muito das perguntas, bem interesantes! O blog ja ta adicionado na lista dos travel fellows. Tao bom ler blogs de viagens em portugues de portugal.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muito obrigada! Fico tão contente por saber que gostou da entrevista e do blog. Esteja sempre à vontade para voltar a este meu (nosso) cantinho ;)

      Eliminar
  6. gostei muito da entrevista, especialmente das respostas dadas pelo filipe. beijos da mae.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O mérito é todo do Filipe que nos deu a possibilidade de viajar com ele através das suas palavras e imagens. É preciso ser-se generoso para partilhar aquilo que nos faz feliz.

      Eliminar
  7. Obrigado à Carina pela oportunidade. Adorei o resultado final da entrevista. Agradeço também pelo imenso e positivo feedback da parte de todos. Mãe e Pai, é graças a vocês que este amor pelas viagens ganhou forma, são vocês os grandes responsáveis!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Estou mesmo muito contente por saber que gostaste do resultado final! :D Inspiraste-me a querer viajar ainda mais, a tentar planear menos cada segundo da viagem e a viver mais o momento. Tenho a certeza que quem leu o artigo também ficou mais enriquecido com esta partilha.

      Eliminar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...